Doutor, Labirintite tem cura? - Dr. Alexandre César

Doutor, Labirintite tem cura?

Labirintite é uma desordem do equilíbrio do corpo humano. Deve-se salientar que o termo "labirintite" é utilizado de forma equivocada para designar todas as doenças do labirinto, o correto é chamá-las de Labirintopatias.

A tontura é um sintoma, não uma doença. Pode ser definida como uma sensação subjetiva de instabilidade, desequilíbrio, sensação de flutuação; vertigem é uma severa sensação de rotação.

A tontura surge por perturbações no sistema de equilíbrio, que funciona com informações que vem do labirinto, localizado dentro do ouvido e também com informações da visão e de sensores que estão nos músculos e articulações (que nos dão a noção de nosso corpo no espaço).

 

Quais os sintomas mais comuns nas Labirintopatias?

  • Tontura ou vertigem;
  • Sensação de instabilidade, flutuação e/ou cabeça ruim;
  • Piora dos sintomas aos movimentos da cabeça;
  • Náuseas e vômitos;
  • Zumbido;
  • Sensação de ouvido tampado;
  • Alterações auditivas temporárias ou permanentes;
  • Turvação visual, principalmente após movimentos rápidos da cabeça.

Identificou algum desses sintomas?

Consulte um Otorrinolaringologista agora mesmo!

Agendar consulta
 

Quais as causas mais comuns das Labirintopatias?

  • Problemas metabólicos, seja por alteração na função da tireóide, perturbações da tolerância ao açúcar (diabetes, hipoglicemia), dislipidemias (colesterol e/ou triglicérides);
  • Doenças específicas do ouvido: Doença de Ménière e a Vertigem Posicional Paroxística Benigna;
  • Infecção por vírus ou bactéria: labirintite aguda, neurite vestibular ou do nervo auditivo;
  • Problemas ortopédicos: alterações coluna cervical e pescoço (síndromes cervicais);
  • Causas externas: traumas por acidentes ou exposição a ruído intenso;
  • Uso de medicamentos tóxicos para o labirinto;
  • Problemas circulatórios que afetem o ouvido;
  • Causas psicológicas: estresse e outras psicopatias.
 

Como se investiga a causa da Labirintopatia?

Às vezes tonturas e vertigens podem significar o primeiro sinal de alguma outra doença importante. As características das tonturas variam conforme a localização da lesão.

O otorrinolaringologista, através do exame clínico e do exame otoneurológico (exames da audição e do labirinto), por vezes exames de imagem (tomografia, ressonância) e exames de sangue, dispõe de condições para definir a localização e causas da labirintopatia.

 

Como é feito o tratamento da tontura?

Diferente do que se diz por aí, de que “labirintite” não tem cura, isso não é verdade. Há tratamento e o principal objetivo é descobrir a verdadeira causa da doença, e não somente tratar o sintoma, ou seja, a tontura.

O tratamento pode ser divido em três fases: tratamento dos sintomas (que é feito durante a investigação diagnóstica), tratamento da causa e reabilitação do labirinto (tratamento fisioterápico da tontura: reabilitação vestibular e algumas manobras específicas).

 

Vejamos alguns exemplos:

  • detectado no exame otoneurológico alterações do labirinto, são usados medicamentos para melhorar seu funcionamento e por vezes exercícios para acelerar o processo de cura, ou seja, a Reabilitação Vestibular;
  • na Vertigem Posicional Paroxística Benigna, a cura é feita através de manobras fisioterápicas;
  • nas Síndromes Cervicais, o tratamento passa inclusive pela fisioterapia;
  • controle dos problemas metabólicos: diabetes, problemas do colesterol, etc.

As pessoas que têm distúrbio do labirinto devem evitar atividades de risco, principalmente natação ou a condução de automóveis, enquanto seu quadro não estiver totalmente corrigido.


Tem alguma dúvida?

Entre em contato com o Dr. Alexandre César e tire suas dúvidas com um otorrinolaringologista especialista pela SBCCP.

Quero tirar Dúvidas