Refluxo faringolaríngeo - Dr. Alexandre César

Refluxo faringolaríngeo

O refluxo faringolaríngeo é uma manifestação considerada atípica da Doença do Refluxo Gastroesofágico. O refluxo gastroesofágico ocorre quando o conteúdo do estômago retorna ao esôfago; quando ele atinge a faringe, laringe ou árvore traqueobrônquica é considerado refluxo faringolaríngeo.

De todas as causas de laringite não infecciosa em adultos, o refluxo faringolaríngeo é provavelmente a causa mais comum. Estima-se que até 50% dos pacientes com queixas laríngeas tenham refluxo como fator causal ou de piora do quadro.

A laringite por refluxo pode ser aguda, crônica ou intermitente.

Os sintomas associados incluem:

  • Rouquidão
  • Gosto ruim na boca
  • Pigarro (limpeza frequente da garganta)
  • Sensação de corpo estranho ou pressão na garganta (bolo na garganta)
  • Dificuldade ou dor para engolir
  • Halitose (mau-hálito)
  • Tosse seca crônica
  • Dor de ouvido
  • Azia/queimação ou regurgitação

Os sintomas do Refluxo Faringolaríngeo podem ocorrer na ausência dos sintomas típicos da Doença do Refluxo Gastroesofágico, ou seja, na ausência de queimação/azia, regurgitação, dor torácica ou disfagia (dificuldade para engolir) em até 50% dos casos.

O diagnóstico de certeza da presença de refluxo é feito pela phmetria esofágica, que monitora os eventos de acidez no esôfago próximo ao estômago e da garganta.

A laringoscopia por vídeo pode evidenciar sinais indiretos que sugerem a presença do refluxo faringolaríngeo.

O tratamento do refluxo faringolaríngeo inclui a modificação de hábitos da dieta e estilo de vida, bem como uso de medicamentos e, em casos selecionados, cirurgia.

Entre as mudanças comportamentais podemos citar:

  • Fracionar a dieta, evitando jejum prolongado, alimentar-se a cada 4 horas e em menores volumes.
  • Evite ingerir líquidos durante as refeições.
  • Aguarde pelo menos 1 hora após as refeições para se deitar.
  • Evite alimentos.
  • Gordurosos e frituras.
  • Evitar milho e derivados (pamonha, broa, bolo e curau).
  • Evitar mortadela, salame, alimentos em conserva e enlatados.
  • Evitar sucos ou frutas ácidas (laranja, limão, lima, abacaxi, maracujá, uva).
  • Evitar excessos na dieta de alimentos como o chocolate, menta, hortelã e anis (halls, balas tipo ice-kiss).
  • Evitar extrato de tomate, ketchup, mostarda, pimenta e temperos condimentados.
  • Evitar café (pode ser substituído por café descafeinado), chá mate ou preto, chimarrão ou tereré em excesso (máximo de três xícaras ao dia).
  • Evitar bebidas gasosas, alcóolicas ou refrigerantes à base de cola.
  • Não utilize roupas que apertem a cintura.
  • Elevar a cabeceira da cama em 10 cm (travesseiros apenas não são suficientes).
  • Evite anti-inflamatórios (inclusive aspirina ou aas): caso tome aas por problema no coração, peça orientação ao seu médico antes de interromper o medicamento.
  • Procure estar dentro do seu peso ideal.
  • Redução do estresse: o estresse está relacionado a uma maior produção de ácido pelo estômago e aumento do refluxo.
  • Faça exercícios físicos regularmente.
  • Não há restrição para leite, iogurtes e queijos brancos.

Os medicamentos têm como princípio diminuir a produção de ácido pelo estômago e melhorar a digestão (tornar o esvaziamento gástrico mais rápido).